calendário

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Boiadas

À cultura do pastel, desenvolvida até ao sec.XIX, sucedeu-se a do gado.A sua exportação tornou-se a principal fonte de rendimento da ilha.Todos os anos pelo Verão centenas de cabeças saem no barco para as Flores, de onde partem para o continente.
  Este é um dos rituais mais complexos da comunidade, que nos faz lembrar as "boiadas"  dos "westerns" cinematográficos.Neblinas de cheiros envolvem todas as ruas atravessadas pelas cavalgadas acres e ondulantes , como se estivessem adivinhando o seu destino.
  O cais, as embarcações, as ondas, os gritos, o suor, o ardor, a violência, os animais a resistirem, a recuarem de medo, o subterfúgio nos embarques, a saudade espalhada no rosto dos  donos, tornam-se imagens de fantasias.
  Os urros dos animais ficam, na distância das embarcações que os levam quase todos para a morte, a ecoar durante muito tempo como trombetas de um juízo final por vencer.
  Actualmente este ritual ainda se mantêm.O escoamento é feito geralmente  duas ou três vezes por ano e no Verão e é quase toda da responsabilidade da Associação Agrícola do Corvo.

7 comentários:

  1. Consigo imaginar mas tenho pena de não ver imagens.

    ResponderEliminar
  2. Ainda há "Vaquinhas do Corvo", ou esta raça autóctone já está completamente extinta?

    ResponderEliminar
  3. É verdade caro amigo,ainda hoje temos esse meio menos apropriado para exportar o gado.Devia ser diferente,acho que dentro de pouco tempo assim será.

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigado FERNANDO, pelo seu western à la Corvo:) mais uma história dessa ilha que não conheço mas que começo cada vez mais a admirar :)

    Pedro Fernandes

    ResponderEliminar
  5. Esperemos por melhores dias para exportação do gado, parece impossível neste século continuar como dantes... até admira com tanta fiscalização ainda este não foi abolido, enfim...

    ResponderEliminar
  6. uma das poucas coisas da minha ilha que nunca gostei,fazia-me impressao ver os animais a sofrer tanto e apertados dentro do barco como sardinhas em lata (ainda consigo ouvir os urros destes pobres animais), odiava esses dias de embarque

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar