calendário

domingo, 26 de dezembro de 2010

Presépio tradicional do Corvo




Presépio da dona Edite Cabral    



A palavra "presépio" significa local onde se recolhe o gado, curral e estábulo.É também a designação dada à representação cústica do Menino Jesus num estábulo, acompanhado pela Virgem Maria, por 
S.José, por uma vaca e um jumento.
  Infelizmente, esta é uma tradição que se vai perdendo de ano para ano.
  O presépio, geralmente era feito na sala, constituído por uma gruta feita em pedras, forradas por palha de trigo e musgo.Na gruta encontrava-se o Menino Jesus, José e Maria, sob o olhar atento dos reis magos.
  Os caminhos eram feitos com areia e farelo de serra.
Constituía-se assim uma "aldeia", onde não podia faltar, a Igreja, a Câmara e as casas típicas.De salientar que tudo isto era feito em papelão.
  Como se nota era tudo muito simples, feito com os materiais possíveis, onde se destacavam as pedras, a areia, o farelo e o cartão.
  Contudo, era esta simplicidade que o tornava mais belo, mais mágico e  mais sublime.
  As crianças olhavam-no embevecidas e sonhavam ardentemente com as prendas do Menino Jesus.
  Eram outros tempos, mas ainda foram os meus tempos e que me deixam muita saudade!




5 comentários:

  1. Por cá ainda existem muitos presépios..
    Esta tradição está muito arreigada, embora se perca a expressão: "Festa do Menino"

    ResponderEliminar
  2. Por cá que eu tenha conhecimento só houve três e também já não se utiliza a expressão do "Menino Jesus", mas sim a do "Pai Natal

    ResponderEliminar
  3. Boa noite Fernando. Com 3 presépios nesse paraiso que toda a gente adora, parabens aos Corvinos que manteêm a tadição, Santa Maria é maior e, dessa dimenção não tenho conhecimento de nenhum. Contiuação de festas felizes a todo e qualquer Português espalhado pelo Planeta.....
    ANTÒNIO RESENDES

    ResponderEliminar
  4. Gostei Amigo Fernando!
    De lamentar que cada vez menos se vejam presépios do MENINO JESUS e mais árvores de Natal. Daí que o meu espírito Natalício tenha mudado bastante em relação a quando era mais jovem... muito materialismo e muita hipocrisia... cansa! Abraço...:)

    ResponderEliminar
  5. Por cá ainda se vai vendo muitos presépios, embora não seja um em cada lar, e era um pouco assim, como dizes, e a árvore era decorada com aquilo que se tinha; mandarinas, e os papeis que enrolavam as bengalas de chocolate, as chamadas pratas coloridas, eram alisadas com a unha e guardadas, dentro dos livros da escola, para enrolar nos galhos da árvore e assim dar-lhe um colorido luminoso. Só mais tarde. nos anos 60 apareceram as bolas lindas coloridas de vários tamanhos, mas de uma fragilidade, que qualquer toque, mesmo fraco, as quebrava. Soube que eram bolas de natal, ainda na década de 50, quando o meu pai trabalha na Base, da ilha Terceira e o contato com os americanos, permitiu uma vivência algumas décadas à fente.

    ResponderEliminar